Conheça aplicativos que lutam contra a violência - Frames
LENDO

Conheça aplicativos que lutam contra a violência

Conheça aplicativos que lutam contra a violência

Muito se discute atualmente sobre os perigos que cercam a internet. Além da epidemia de fotos e informações pessoais roubadas e disseminadas, também se debate sobre os riscos sociais que a internet traz. Com o rápido desenvolvimento dos smartphones, em pouco tempo nós nos vimos com a possibilidade de acessar a internet de praticamente todos os lugares. Isso, entre outras coisas, pode representar um distanciamento do mundo real.

Mas, e quando a tecnologia está do nosso lado? E quando é ela que nos ajuda a enfrentar problemas que ultrapassam as fronteiras do virtual?

Confira três iniciativas que usam justamente da tecnologia, por meio de aplicativos ou sites colaborativos, para nos proteger dos inúmeros problemas relacionados à violência que marcam nosso dia a dia:

 

Fogo Cruzado

O aplicativo e site colaborativo Fogo Cruzado  faz um mapeamento em tempo real dos registros de tiroteios e de outras situações de violência armada no estado do Rio de Janeiro. No site do projeto é possível ver relatórios semanais, mensais e anuais sobre os números que envolvem as ocorrências. Em 2017, por exemplo, foram 5.993 notificações de confrontos armados, com média diária de 16 tiroteios/disparos de armas de fogo.

Originalmente lançado pela Anistia Internacional Brasil, em 2016, o projeto cresceu de maneira tão rápida que, desde janeiro de 2018, se tornou independente e autônomo. Agora, com mais de 120 mil downloads, o aplicativo Fogo Cruzado começará também a mapear a violência na região metropolitana de Recife, em Pernambuco.

 

Chega de Fiu Fiu

Criado em 2013, o site colaborativo mapeia lugares em que mulheres já sofreram assédio ou violência. Com mais de dois mil relatos, o mapa abastecido por vítimas e testemunhas constrói um retrato da realidade vivida pelas mulheres brasileiras. Com isso, a iniciativa busca “entender como as áreas com maior índice de incidência podem ser modificadas de forma a torná-las mais seguras para as mulheres e devolver a elas o direito de ir e vir sem medo por esses locais.”

O projeto surgiu da ONG feminista Olga (hyperlink http://thinkolga.com/), que tem como objetivo “criar conteúdo que reflita a complexidade das mulheres e as trate com a seriedade que pessoas capazes de definir os rumos do mundo merecem.”

O Chega de Fiu Fiu deu tão certo que virou documentário. Confira o trailer:

https://www.youtube.com/watch?v=q3S5kxMLa2s

 

Malalai

O aplicativo traça a rota mais segura para uma mulher se locomover de um ponto ao outro e permite selecionar alguém da lista de contatos, para que essa pessoa possa acompanhar em tempo a real o descolamento da usuária. O projeto também funciona de maneira colaborativa, sendo abastecido pelas próprias internautas, que fornecem informações como condições de luz do local, movimento e horário de funcionamento de pontos comerciais. Dessa forma, é possível traçar rotas que evitam lugares inseguros.

A ideia do aplicativo surgiu após a Priscila Gama, fundadora do app, ler um relato por meio da hashtag “Meu Primeiro Assédio”, outra iniciativa da ONG Olga.

 

Conhece mais algum? Conta pra gente nos comentários.

COMENTÁRIOS


POST RELACIONADOS